terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Grécia Antiga - Período Clássico (séculos V - IV a.C.)

1 – Introdução às Guerras Médicas

___Chamado de Período Clássico (século V – IV a.C.) marcou o apogeu (Guerras médicas) e o declínio (Guerra do Peloponeso) da civilização grega.
___Os persas (ou medos) iniciaram um movimento expansionista no século VI a.C. que originou um império que abrangia o Egito, a Índia, a Fenícia e as cidades gregas do litoral da Ásia Menor. Sua supremacia naval nos mares Egeu e Negro ameaçavam a península balcânica. Com a revolta das cidades gregas da Ásia Menor, lideradas por Mileto, começam os conflitos.
___Sob o comando do imperador Dario I, as forças persas invadiram a Grécia continental, em 490 a.C., porém essa ofensiva foi barrada pelos atenienses na Batalha de Maratona. Uma década depois o filho de Dario, Xerxes, então rei dos Persas, realiza outra incursão, uma terrestre e uma naval. Vendo-se diante de um inimigo comum, as cidades-estado gregas se unem: Esparta, liderada por Leônidas em investidas terrestres é derrotada na Batalha das Termópilas (narrada na obra de Heródoto: História). Atenas, liderada por Temístocles em investidas marítimas, venceu definitivamente os persas na Batalha da Salamina. Posteriormente conseguiram expulsar os persas também da Ásia Menor.
___Com o intuito de proteger as cidades gregas da Ásia Menor e o mar Egeu, foi decidida a criação de uma aliança marítima, conhecida como Liga de Delos. Possuidora de uma posição hegemônica das restantes cidades, Atenas serviu dos recursos da Liga para a reconstrução e o embelezamento de sua Acrópole e para se transformar em um império marítimo e comercial. De todas suas conquistas só não concretizou a unificação de toda Grécia, pois Esparta e suas aliadas formaram a Liga do Peloponeso.
___No governo de Péricles (461 – 431 a.C.), a democracia escravista atingiu seu limite. A prosperidade econômica de Atenas estava baseada em mão-de-obra escrava. Além de utilizados nas minas, nas oficinas de artesanato e nos serviços domésticos, ainda eram vendidos como mercadoria para outras cidades gregas, ou seja, Atenas exportava escravos pro resto da Grécia. Péricles representava os interesses de muitas camadas sociais: comerciantes, artesãos e grandes produtores. Realizou reformas políticas a fim de que todos os cidadãos participassem da vida pública. Para reduzir as tensões sociais, aumentou ofertas de empregos nas construções públicas (a exemplo do Partenon em homenagem à Deusa Atenas). Todavia, restringiu o direito de cidadania: somente filhos de pai e mãe atenienses seriam considerados cidadãos, continuando excluídos os metecos (estrangeiros), mulheres e escravos.
___O expansionismo ateniense desagradou muitas cidades gregas levando a Grécia à uma crise interna que resultou na Guerra do Peloponeso.
___Resumido rapidamente as guerras médicas no primeiro item, falaremos de Herôdotos, considerado o Pai da História, que descreveu em sua obra (História) a Batalha das Termópilas que será o assunto do item 3. No item 4 encerraremos com a Guerra do Peloponeso.


2 –A Historiografia Grega e Heródoto, o Pai da História

___Ao se interessarem pelas questões do mundo e o lugar do homem nele, os gregos reconsideraram o seu passado, daí a idéia de Heródoto escrever sua obra. Antes disso os interesses dos gregos se voltavam mais para os mitos, poemas, histórias de famílias, etc. Essa por vezes usada para a resolução de questões de poder de terras e cultos.
___Os principais estudiosos dessa historiografia grega foram Heródoto e Tucídides.
___Heródoto nasceu em Halicarnasso (atual Bodrum, cidade turca), na Ásia Menor, nos limites do Império Persa, no ano de 4230 do período Juliano, o que equivale a 484 a.C. Filho de Lixas e Drio, sobrinho de Paniasis, que foi um grande poeta, segundo de suma importância para a Grécia após Homero, o primeiro. É provável que Heródoto tenha falecido por volta de 425 a.C.
___Heródoto foi o primeiro a escrever uma obra em prosa onde reúne diversas narrativas históricas ou quase históricas onde analisa o psicológico das personagens conversando com o leitor. Antes de Heródoto, existiram crônicas e épicos que também haviam preservado o conhecimento do passado. Mas Heródoto foi o primeiro não só a gravar o passado, mas também a considerá-lo um problema filosófico ou um projeto de pesquisa que podia revelar conhecimento do comportamento humano. A sua criação deu-lhe o título de "pai da história" e a palavra que utilizou (historie), que previamente tinha significado simplesmente "pesquisa", tomou a conotação atual de "história".
___Ele investigou o passado através de livros e depoimentos durante suas viagens pela Grécia,conhecendo novas culturas e costumes assim dando um valor científico à sua obra.
___O que sabemos é que Heródoto escreveu somente duas obras : uma sobre a história da Assíria, que infelizmente se perdeu com o tempo e outra, intitulada, “Histórias” que chegou até nós praticamente completa. Em Histórias, o estudioso retrata o conflito entre gregos e persas nas Guerras Persas, ou Guerras Médicas.
___Outro grande historiador foi Tucídides que escolheu como tema de suas pesquisas a Segunda Guerra do Peloponeso. Focalizando seus estudos nos aspectos militares e políticos, acompanhando a guerra ano a ano através desses fatores.


3 – Batalha das Termópilas


___O principal motivo da batalha foi quando o Orador conta à Leonidas que um mensageiro persa chegou a Esparta e comunicou-lhe o desejo de Xerxes em dominar a região. Leónidas, ofendido com tal mensagem, mata toda a comitiva persa e decide começar uma guerra cotra Xerxes.
___Esta batalha narrada por Herodotos ocorreu no desfiladeiro das Termópilas, na Grécia Central. Ali, 300 espartanos, todos eles pais para que se pudesse perpetuar a tradição militarista da cidade, sob o comando de seu rei Leónidas, acompanhados por 7000 aliados de outras cidades-Estado helénicas, enfrentaram centenas de milhares de persas liderados por Xerxes, filho de Dario. Foi travada no contexto da II Guerra Médica, decorreu no Verão de 480 a.C.
___A grande difereça numérica entre os inimigos, levou a batalha a terminar com uma aparente vitória persa. Os Gregos conseguiram derrotar um grande número de inimigos e retardar o avanço dos Persas pela Grécia, antes de serem totalmente derrotados. Sua intervenção, para não morrerem como escravos persas, foi decisiva para o futuro do conflito, o que levou-lhes a ser também considerados vencedores. De fato, não vence uma batalha apenas aquele que destrói o exército inimigo, mas sim aquele que cumpre seu objetivo. Os Espartanos, ao deterem durante 3 dias, os Persas nas Termópilas, permitiram a salvação de Atenas e da nascente Civilização Ocidental.
___Segundo Heródotos, numéricamente falando, a batalha envolveu quatro milhões e meio de homens arregimentados à força pelos Persas, contra Leónidas e os seus trezentos Espartanos, combatendo tão-só pela liberdade da sua Nação. Mas não havia apenas Espartanos nas Termópilas. Enumera, do lado grego, trezentos Espartanos, quinhentos hoplitas de Tegeia e outros quinhentos de Mantineia, cento e vinte de Orcómeno, mil da Arcádia, quatrocentos de Corinto, duzentos de Pilos e oitenta de Micenas (prefazendo estes o contingente do Peloponeso, num total de 3100 homens); setecentos de Téspias, setecentos de Tebas, mil homens da Fócia, e ainda um número desconhecido (mas elevado) de Lócridos Opuntianos. Portanto, no mínimo, cinco mil e quinhentos homens.
___Outro fato muito importante envolve esta batalha: 480 a.C. foi ano de Olimpíadas, durante as quais se proclamava a trégua sagrada e cessavam as hostilidades entre todos os inimigos na Grécia. Embora se tratasse de um inimigo externo (não-heleno), e se tratasse de uma situação de excepção, a trégua entre os Gregos não foi respeitada.
___Quanto ao campo do adversário, Heródoto fala em 2,1 milhões de Medo-Persas, acompanhados por 2,6 milhões de soldados auxiliares. Tradicionalmente os escritores da antiguidade costumavam aumentar exageradamente os números para grandificar os feitos de seus países. Sendo assim é possível que estes números não sejam desta forma exagerados, mas acredita-se que de fato eram números elevados.
___Em Agosto de 480 a.C., as forças da Liga posicionaram-se no interior do estreito, com Leónidas no supremo comando, tendo este no entanto que fazer face à tentativa de deserção dos Tebanos (acusados de simpatizarem com os Medos, teriam eventualmente deslocado às Termópilas apenas para que não recaísse sobre a sua cidade a inimizade e o opróbrio dos restantes membros da Liga, e tendo já provavelmente a intenção secreta de se furtarem a meio do combate, como viria, de fato, a acontecer), e aos pedidos dos seus aliados do Peloponeso, que desejavam que as forças se concentrassem no Istmo de Corinto. A tudo isto o rei espartano respondeu com mão de ferro. Colocou ainda os Fócios a guardarem a rectaguarda do estreito, por forma a evitar qualquer ataque surpresa.
___Ao mesmo tempo, os Persas aproximavam-se do desfiladeiro, tendo Xerxes montado o seu acampamento no topo de uma colina sobranceira, em Mália, onde instalou também o seu trono áureo, de onde observou, durante dias, o confronto armado entre os seus homens e os irredutíveis Helenos.
___Durante quatro dias, Xerxes esperou que fossem os Gregos a tomar a iniciativa, mas como isto não ocorreu, decidiu ele mesmo atacar, na madrugada do quinto dia; os seus homens, armados somente com um pequeno escudo e uma lança de menores dimensões que a dos hoplitas gregos (cujo armamento – elmo, couraça, escudo, grevas, lança e uma pequena espada – lhes dava, nesta fase do confronto, uma superioridade decisiva), ao tentarem penetrar no desfiladeiro, viram-se completamente rechaçados, pois as falanges gregas facilmente destruíam as suas lanças e, desarmando-os dessa forma, fácil foi chaciná-los em seguida.
___Xerxes, que observava o espectáculo, teria dito, segundo Heródoto, ter “muitos homens, mas poucos soldados”. De fato, embora Xerxes dispusesse da superioridade numérica, as condições físicas do estreito impediam-no de tirar partido dessa vantagem (designadamente, pela impossibilidade de fazer aí atacar a sua célebre cavalaria).
___Mesmo quando Xerxes ordenou que os archeiros medos disparassem, os longos escudos dos Gregos protegeram-nos das flechas. Como estas estratégias não davam resultados, Xerxes ordenou enfim que avançassem os 10 mil Imortais, comandados por Hidarnes. Tratava-se do corpo de elite da infantaria persa. Devia o nome ao fato de, assim que morria um dos seus combatentes, este era imediatamente substituído, prefazendo dessa forma um total constante de dez mil, por isso eram tidos como “imortais”. Os guerreiros Imortais de Xerxes não obtiveram sucesso sendo arrasados pelos Espartanos.
___No 6º dia Xerxes resolve atacar novamento, sendo novamente derrotado.
___Foi então que apareceu, no acampamento persa, Efialtes, filho de Euridemo de Mális, nome que tem ecoado pelos séculos como sinônimo de traidor. Dirigiu-se ao Rei Xerxes na esperança de obter uma compensação ao informar sua estratégia de usar um caminho caminho secreto que conduzia à retaguarda das Termópilas (onde se achavam os Fócios), através da montanha. Xerxes aceitou sua estratégia, convocando Hidarnes e ordenando que os Imortais percorressem o dito caminho durante a noite, para aacar os Gregos logo pela madrugada. Estratégia que deu certo, quando os Fócios se deram conta da presença do inimigo, era tarde demais. Segundo Heródoto, um adivinho que se encontrava entre os soldados, Megístias, após analisar as entranhas dos animais sacrificados pelos Persas em oferenda aos deuses para confirmar sua vitória, concluiu que a morte chegaria aos Espartanos inevitavelmente. Leónidas reuniu o conselho de guerra, tendo as opiniões dos Helenos dividido-se: uns eram a favor da retirada pura e simples, para evitar uma inevitável chacina; outros defendiam que aí deviam permanecer até ao último homem. Leónidas resolveu o problema, declarando que todos os Aliados eram livres de partir, já que não sentia neles a coragem para combater; apenas ele e os seus trezentos homens não podiam desertar, pois a isso os obrigava a Constituição de Licurgo (que declarava constituir a deserção a suprema desonra para um Espartano); se pelo contrário ali permanecessem e morressem a pelejar, o seu nome seria acumulado de glória e jamais cairia no esquecimento.
___Ao mesmo tempo, esta decisão do rei deve ter sido reforçada pela chegada de um oráculo da Pitonisa de Delfos; pouco antes do começo da batalha, Leónidas mandara inquirir de Apolo quem sairia vencedor da pugna, e agora a sacerdotisa do deus respondia-lhe que um dos reis de Esparta deveria sacrificar-se para que a respectiva Cidade-Estado continuasse de pé.
___Então chega o sétimo dia. Os Persas haviam já contornado o desfiladeiro, abandonado pelos Fócios, e iniciam o seu ataque por ambos os lados do estreito. Os Gregos, certos de que não havia outra saída que não fosse a morte, pareciam não a temer e, segundo Heródoto, lutavam com ainda mais vontade que nos dias anteriores, causando grandes perdas entre os invasores persas.
___No último dia de ataque dos Persas, cercados, os Espartanos são derrotados numa luta corpo-a-corpo, morrendo de modo honroso. Leónidas caiu morto junto à seus soldados no meio da batalha. Segundo Heródoto, os soltados ao verem seu rei cair, tentaram resgatar seu cadáver no meio dos mortos para que pudessem lhe dar um digno e merecido funeral e preservá-lo de humilhações que poderiam ocorrer por parte dos inimigos.
___Ao fim da batalha, Xerxes vai pessoalmente ao campo de batalha procurar o corpo de Leonidas e após encontrá-lo, mandou decapitá-lo e empalar sua cabeça.
___Mas a salvação do corpo do seu rei não foi o único problema com que os Espartanos se debateram; a sua maior dificuldade eram as deserções que continuavam a verificar-se (Heródoto cita os nomes de dois homens que teriam sobrevivido à batalha, afirmando que um deles cometeu suicídio por não aguentar a pressão da desonra, demonstrando assim que até entre os Espartanos houve deserções, e que nem todos os Trezentos teriam morrido na batalha). Xerxes, descontente, ordenou que metade dos combatentes tebanos fosse massacrada, e a outra metade escravizada – destinando-se o castigo a punir a demora no honrar do acordo de aliança celebrado.


4 – Guerra do Peloponeso


___A guerra do Peloponeso se deu porque os interesses de Atenas acabaram se chocando com os interesses de Esparta, lider da Liga do Peloponeso. O confronto deu-se de culturas e de regimes políticos antagônicos. De um lado Atenas, democrática e imperialista, com a força assentada no poder naval; do outro, Esparta, militarista e conservadora com o poder apoiado no mais organizado exército grego. A guerra durou até 404 a.C. quando Esparta derrota Atenas na Batalha de Egos Pótamos. O confronto entre as duas cidades dado o equilibrio de forças existente, devastou a Grécia e demarcou o início de seu declínio. A hegemonia espartana dura pouco, dando lugar à cidade de Tebas, que também teve uma liderança efêmera. Surgiu, então, no norte da Grécia, uma nova potência: a Macedônia.




Bibliografia:

- HERÓDOTO. História. Brasília: Universidade de Brasília. 1988.
- JONES, Peter V. (organizador). O mundo de Atenas: uma introdução à cultura clássica ateniense. [tradução: Ana Lia de Almeida Prado]. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
- CARTIEDGE, Paul. História Ilustrada da Grécia Antiga. São Paulo: Editora Escala.

Filme:

- MILLER, Frank. 300. Warner Brothers. EUA, 2006.

3 comentários:

nandarilha disse...

Oi, encontrei teu blog por acaso e achei muito interessante. Também sou gaúcha e, apesar de não ter cursado história (quem sabe um dia...), mantenho um blog com curiosidades e tudo mais. Parabéns pelo blog, vou procurar acompanhar. Desculpe não colocar um comentário coerente com a postagem, adoro a parte de história que se compreende na Antiguidade e por isso mesmo voltarei para ler melhor o texto, no momento estou bisbilhotando escondida do patrão...hehehe. Um abraço!

nandarilha disse...

Oi, encontrei teu blog por acaso e achei muito interessante. Também sou gaúcha e, apesar de não ter cursado história (quem sabe um dia...), mantenho um blog com curiosidades e tudo mais. Parabéns pelo blog, vou procurar acompanhar. Desculpe não colocar um comentário coerente com a postagem, adoro a parte de história que se compreende na Antiguidade e por isso mesmo voltarei para ler melhor o texto, no momento estou bisbilhotando escondida do patrão...hehehe. Um abraço!

Lola Ds disse...

Muito bom! A redação é clara. Vou tentar acompanhar teus post já que sou apaixonada pela historia. Obrigada por compartilhar tua paixão conosco!